Foto: Anthony Fauci

Aumento artificial da letalidade do vírus foi defendida por Anthony Fauci em 2012

Foto: Anthony Fauci

O diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) dos Estados Unidos, Dr. Anthony Fauci, defendeu em 2012 a manipulação artificial de vírus para desenvolvimento de cepas mais letais, técnica traduzida como “ganho de função” (gain of function). Referindo-se aos experimentos Dr. Fauci afirmou que os riscos de uma possível pandemia artificial eram compensados pelo avanço científico na área possibilitado pelo fortalecimento laboratorial do vírus.

A técnica do “ganho de função” consiste em aumentar a letalidade e transmissibilidade dos vírus para que cientistas possam compreender como patógenos se transformam e replicam, podendo com isso desenvolver vacinas mais eficazes. O termo começou a circular por jornais da mídia americana após dois cientistas, Angus Dalgleish (Inglaterra) e Birger Sørensen, escreverem um artigo, entregue em primeira mão ao jornal Daily Mail e que será publicado nos próximos dias na revista Quarterly Review of Biophysics Discovery, afirmando que possuem “evidências da retroengenharia chinesa” em amostras da Sars Cov 2.Anúncio:

Em entrevista ao jornal Daily Mail ambos cientistas também denunciaram que já em 2020 haviam alertado a respeito da origem chinesa do vírus mas que suas descobertas e evidências foram ignoradas pelo meio acadêmico e rotuladas como “fake news” por grandes jornais. O debate em torno da origem do vírus foi reacendido nas últimas semanas quando o presidente americano, Joe Biden, pediu à Comunidade de Inteligência Americana uma investigação a respeito da origem chinesa da pandemia da covid-19.

Junto de Biden, também o principal grupo verificadores de fatos dos EUA, uma das primeiras agências de checagem do mundo, a Politifact, emitiu nota no último dia 17, pedindo desculpas pela checagem que acabou por rotular a possível origem chinesa da covid-19 como “falsa” ou “teoria da conspiração”.

Na semana passada, o Wall Street Journal divulgou um relatório de inteligência desenvolvido pela Casa Branca em que afirmava a hospitalização de pesquisadores de Wuhan, já em novembro de 2019, possivelmente infectados pela covid-19. A tese de Dalgleish e Sørensen sustenta que o “SARS-Coronavirus-2 não possui ancestral natural” e que foi criado por meio de “manipulação laboratorial”.

Pesquisando arquivos de periódicos e bancos de dados, Dalgleish e Sørensen descobriram como cientistas chineses teriam trabalhado em conjunto com universidades americanas para construir ferramentas para a criação do coronavírus, utilizando a chamada “pesquisa de ganho de função”. Nela, cientistas chineses teriam pego uma “espinha dorsal” do coronavírus natural, encontrada em morcegos das cavernas chinesas, e o transformaram no SARS-Cov-2, altamente mortal e transmissível.

Um sinal revelador da suposta manipulação é uma fileira de quatro aminoácidos encontradas no SARS-Cov-2. Em uma entrevista exclusiva ao DailyMail, Sørensen disse que todos os aminoácidos têm carga positiva, o que faz com que o vírus adira firmemente às partes negativamente carregadas das células humanas como um ímã, tornando-se mais infeccioso. Mas porque, como os ímãs, os aminoácidos carregados positivamente se repelem, é raro encontrar até três em uma linha em organismos que ocorrem naturalmente, enquanto quatro em uma linha é “extremamente improvável”, disse o cientista.

No artigo que será publicado, os cientistas afirmam que essas características do SARS-Cov-2 são “impressões digitais únicas”, “indicativas de manipulação intencional” e que “a probabilidade de ser o resultado de processos naturais é muito pequena.” Concluindo que a crise mundial da covid-19 tem altíssima chance de ter sido criada artificialmente e que, já em 2012, o principal conselheiro de saúde dos Estados Unidos, Anthony Fauci, estava ciente dos riscos e mesmo assim incentivou experimentos de “ganho de função”.

Fonte: Estudos Nacionais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s